Repúdio | Jair Bolsonaro fala o que quer, mas não quer ouvir questionamentos da imprensa!

É muito difícil tentar descrever o momento pelo qual passamos no Brasil. Coloque a pandemia da Covid-19 de lado e vamos pensar na política praticada pelo presidente Jair Bolsonaro. Em sua visão ditatorial, ele pode falar o que bem entende. Em contraponto, a imprensa, cujo trabalho é justamente buscar informações dos atos do Governo, não pode questioná-lo. Ao ser questionado por um jornalista do Jornal O Globo sobre cheques no valor total de R$ 89 mil que teriam sido depositados entre 2011 e 2016 por Queiroz e a esposa dele, Márcia Aguiar, na conta de Michelle Bolsonaro ele regurgitou novamente. Dessa vez, o presidente respondeu: “vontade de encher tua boca com uma porrada, tá? Seu safado”.

Eu, como jornalista, JAMAIS poderia deixar de externar minha indignação com tal postura. O pior é ver o presidente incitar o ódio nas redes sociais, local onde se pensa não ser terra de ninguém. Mobilizados pela estrutura digital de apoio a Bolsonaro, muitos foram às redes afirmar coisas do tipo “jornalistas merecem tomar porrada na boca” ou “o presidente só errou em não agredir o repórter”. Sim, estas são falas de cidadãos brasileiros – nossos vizinhos, amigos ou familiares. Tragicamente é acompanhado por aplausos.

DEFESA

Nós jornalistas temos entidades para defender a categoria. São Sindicados, Federações e Associações. A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), por exemplo, divulgou nesta manhã (24), uma nota de repúdio. No documento, a entidade cobra ação do Judiciário e Legislativo.

“Tal comportamento inadmissível por parte de um presidente da República deveria ser condenado por todas as instituições e cidadãos comprometidos com a estabilidade e o progresso do Brasil. As organizações abaixo assinadas esperam sobretudo dos líderes dos Poderes Legislativo e Judiciário uma reação contundente contra mais essa atitude violenta e irresponsável de Jair Bolsonaro.”

As entidades assinantes da nota são a própria Abraji, Artigo 19, Conectas Direitos Humanos, Observatório da Liberdade de Imprensa da OAB e Repórteres sem Fronteiras. Mas, assim como este texto, não podemos ser reféns de apenas notas. Precisamos mesmo de uma ação efetiva contra os desmandos do nosso presidente. Como bem coloca o Jornal O Globo em seu jornal impresso, tal ato de intimidação escancara o fato de Jair Bolsonaro desconsiderar o dever de qualquer Servidor público, não importando seu cargo, de prestar contas à população.

NÓS ASSINAMOS

A Agência Grita São Paulo endossa o repúdio aos atos repulsivos da Presidência da República. Se a ação fosse contrária, do repórter ameaçando o líder da Nação, com certeza o mesmo já estaria preso. E não podemos deixar assim. Presidente, por que sua mulher recebeu 89 mil reais do Queiroz? Primeiramente, o senhor tem OBRIGAÇÃO de responder essa pergunta, não só para a imprensa, mas para todo País. E, por fim, a Justiça também tem por obrigação dar ao seu “senso de que tudo posso” um limite urgente. Chega de aturar desmandos!

Wellington Torres

Editor da AGSP. Jornalista de coração e alma, pós-graduado em Assessoria de Comunicação e Mídias Digitais. Heavy user de redes sociais e fã de tecnologia. Já assisti muitas séries, porém agora até minha mãe sabe mais de Greys Anatomy do que eu. Viajante aleatório, sonhando com #NewYork2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×