fbpx

13 maio de 2001, um dos jogos mais inesquecíveis para os corintianos

Um dos jogos mais incríveis para a torcida do Corinthians ocorreu em 13 de maio de 2001. No estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi), com um público de 54.637, o timão venceu por 2 x 1 o Santos, sendo que o segundo gol foi marcado há poucos segundos do final.

O jogo foi emocionante. Aos 19 minutos do primeiro tempo, o Santos tem um pênalti a seu favor e desperdiça com um chute na trave. Na sequência, aos 23 minutos, penalidade para o Corinthians, que também mandou na trave.

Aos 34 minutos, o Santos abre o placar. Porém, na jogada seguinte, em prol do Corinthians (aos 35 minutos), Marcelinho Carioca empatou a partida e assim encerrou o primeiro tempo.

Já o segundo tempo foi de um time só, até porque o empate favorecia o Santos. O Corinthians atacou demais e desperdiçou muitas oportunidades. A torcida do Santos cantava e fazia a festa por estar eliminando um arquirrival e ainda seguiria para a final contra o Botafogo de Ribeirão Preto.

Mas a frustração santista foi avassaladora. No último lance do jogo, Andrezinho pega a bola no meio de campo, segura, gira e lança para Gil na esquerda. Gramado molhando, Gil domina e parte pra cima do zagueiro do Santos, André. De repente, Gil corta seco e André passa direto.

Gil manda para o meio da área. Marcelinho Carioca fura e o meio Ricardinho bate colocado, no canto direito do goleiro Fábio Costa. GOLAÇO. Ricardinho sai batendo no peito. Os corintianos eram maioria no Morumbi e a comemoração era imensa.

“Pessoas caíram por cima de mim. Desconhecidos se abraçavam, choravam e gritavam de alegria. Uma emoção única com um gol sensacional, que garantiu o Corinthians na final e consequentemente a conquista o título”, afirma Daniel Lucas Oliveira, jornalista da Agência Grita São Paulo, e um dos 54.637 torcedores presentes no estádio.

Daniel Lucas Oliveira

Jornalista da Agência de Comunicação Grita São Paulo - Ama sua família. Vovô de três netos lindos. Acredita em Jesus Cristo. Pratica e indica Jiu-Jitsu. Amante da Justiça e direitos sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *