Brasília/DF | Agência realiza mega cobertura da Manifestação contra a Reforma Administrativa

A Agência Grita São Paulo novamente faz parte da história sindical neste mês de agosto. Na última terça (3), nossa equipe foi representada pelos colaboradores Daniel Lucas Oliveira e Rafael Silva na cobertura do grande manifesto contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32 – a Reforma Administrativa, em Brasília, no Distrito Federal. O ato contou com a participação de mais de 3 mil pessoas, coordenado por representantes das 11 Centrais Sindicais e com adesão de centenas de outras entidades de Servidores do País. A concentração foi em frente ao Museu Nacional.

Acompanhamos de perto nossos clientes (CSPM, Sinseri, STSPMP, SSPMA) em uma passeata do Museu Nacional para o Congresso Nacional, onde com faixas, cartazes, bandeiras e caminhão de som, os sindicalistas cobraram compromisso dos deputados em favor do Servidor, que fica à mercê da tirania proveniente da possível aprovação desta maldosa reforma. Após isso, os líderes das Centrais protocolaram o manifesto do movimento com um conjunto de reivindicações e encaminhamentos do coletivo.

Alguns parlamentares contrários à proposta acompanharam o movimento em frente ao Congresso Nacional. Atualmente, a matéria tramita na Câmara dos Deputados, onde a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) aprovou, dia 25 de maio, a admissibilidade da “desreforma” contida nela.

A PEC 32

A Reforma Administrativa é mais do que um ataque ao Servidor. Ao acabar com a obrigatoriedade do concurso público, a PEC 32 prevê que os governantes e políticos terão à disposição mais de 200 mil cargos de livre nomeação. A proposta não visa reduzir qualquer privilégio, pois a grande maioria dos Servidores estão há muito tempo sem reajuste. Os altos escalões da Justiça, do Ministério Público e Defensoria Pública e Forças Armadas estão de fora do seu alcance!

A proposta acaba com a regra geral da estabilidade no serviço passando a garantir esse direito apenas para as carreiras típicas de Estado. Ainda permite a cumulatividade de cargos e cria uma nova espécie de cargo público – mesmo via concurso – na qual o Servidor terá um ano de vínculo de experiência com a Administração, podendo ser dispensado após esse período caso sua avaliação não seja considerada satisfatória.

A PEC também altera profundamente o desenho do Estado e sua capacidade de intervir na economia. Entre outros pontos, a PEC prevê que apenas o presidente tenha o poder de promover alterações no desenho das instituições da administração pública, tirando as atuais atribuições do Congresso Nacional.

Wellington Torres

Editor da AGSP. Jornalista de coração e alma, pós-graduado em Assessoria de Comunicação e Mídias Digitais. Heavy user de redes sociais e fã de tecnologia. Assisto muitas sérias e atualmente meu maior vício são as médicas (Greys, The Good Doctor, New Amsterdam e The Resident) #LetsgotoCanada2022

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *