Estudo publicado pela BBC britânica aponta nível de exposição ao Coronavírus de acordo com sua profissão

A pandemia do novo Coronavírus veio para mudar a rotina mundial nos últimos meses. E provavelmente essa mudança permanecerá para muitas profissões. Agora mesmo você pode estar em sua casa realizando uma tarefa para sua empresa, a qual fechou as portas físicas por conta do isolamentos social, mas não estagnou na produção. É o chamado home-office. Por outro lado, muitas corporações e comércios já projetam como voltar ao normal e como fazer isso de forma segura.

Assim, a BBC britânica publicou um estudo que aponta os riscos de exposição ao Coronavírus de acordo com sua profissão. Contudo, os dados foram colhidos antes das medidas de isolamento social. Ou seja, quando tudo estava “normal” economicamente falando. Mas como você pode estar exposto ao Coronavírus em seu trabalho? E como isso se compara aos outros? Você confere as respostas a seguir.

ESTUDO 

Dados do Office for National Statistics, com base em uma pesquisa nos EUA, contextualizam o risco de exposição a doenças. Além disso,  também verifica a quantidade de trabalhadores com contato próximo antes da introdução do distanciamento social e outras medidas de segurança.

Embora a maioria dos empregos exija que as pessoas trabalhem relativamente próximas de outras pessoas, são poucas as que normalmente fiquem expostas a doenças mais de uma vez por ano.

É importante observar que os dados sobre a exposição a doenças no trabalho e a proximidade das pessoas são baseados em entrevistas realizadas com trabalhadores norte-americanos antes do início da pandemia e a introdução de recomendações de distanciamento social.

Alguns trabalhos podem ser mais  flexíveis que outros, e pode haver práticas e condições de trabalho ligeiramente diferentes nos EUA para determinadas ocupações. Pode-se esperar que os resultados sejam os mesmos na maioria dos países desenvolvidos.

Quase todos os empregos com alta exposição a doenças e outras pessoas são profissões da área de saúde, enquanto os que obtiveram baixa pontuação em ambas as medidas incluem artistas, advogados e aqueles em empregos mais comuns em escritórios como marketing, RH e consultores financeiros.

Profissionais da limpeza, agentes penitenciários e agentes funerários estão entre aqueles que têm uma exposição relativamente alta a doenças sem muita interação com outras pessoas.

Mas as pessoas que podem estar em maior risco de uma nova doença infecciosa como o Covid-19 são aquelas que têm muito contato próximo com as pessoas, mas não estão acostumadas a serem expostas a doenças.

A equipe do bar, cabeleireiros e atores se enquadram nessa categoria, além de taxistas e pedreiros.

MAIS INFORMAÇÕES

Outros números divulgados pelo ONS nesta semana mostraram que as mortes no setor de saúde no Reino Unido não são mais altas, em média, do que as da comunidade em geral, embora os assistentes sociais estivessem morrendo a taxas mais altas. Então porque em tais ocupações  não houve mais mortes em relação a outras profissões?

Isso pode ser porque os trabalhadores desses empregos têm maior probabilidade de usar equipamentos de proteção individual (EPI), como máscaras e luvas, diz Ben Humberstone, vice-diretor de análise de saúde da ON. Eles também seguem medidas regulares de higiene, como lavar as mãos.

Um dos empregos que teve muito mais mortes por coronavírus do que a média foram os motoristas de táxi. Esse é um trabalho que tem uma pontuação alta em termos de proximidade com outras pessoas, principalmente entre os trabalhos que ainda são possíveis de realizar no momento. A equipe do bar, cabeleireiros e instrutores de fitness obtêm uma pontuação mais alta, mas com os bares, academias e salões de beleza fechados, a maioria dessas pessoas estará isolada.

Como os motoristas de táxi são menos expostos a doenças em tempos normais, pode não haver uma cultura existente de lavar as mãos regularmente e usar EPI. Algumas empresas estão testando telas de partição e distribuindo luvas e máscaras para proteger seus motoristas e clientes.

METODOLOGIA DO ESTUDO

Os dados na pesquisa são provenientes deste release pelo ONS.

Os números sobre proximidade com outros e exposição a doenças vêm de uma pesquisa realizada pela Occupational Information Network (O * NET), na qual eles pediram que os entrevistados nos EUA se colocassem em uma escala de 1 a 5 para as duas perguntas a seguir.

1. Quão fisicamente perto de outras pessoas você está quando executa seu trabalho atual?

2. Com que frequência seu trabalho atual exige que você seja exposto a doenças ou infecções?

Para a exposição à doença, uma pontuação de um significa que eles nunca são expostos, enquanto uma pontuação de cinco significa que eles são expostos diariamente. Refere-se a qualquer doença, não especificamente ao coronavírus.

Para a questão da proximidade física, um significa que o entrevistado trabalha a mais de 100 pés da outra pessoa mais próxima, enquanto cinco significa que eles precisam tocar ou estar perto de tocar outras pessoas no trabalho. A pesquisa foi realizada antes da introdução de medidas de distanciamento social e, obviamente, os trabalhadores de certos empregos acharão mais fácil se ajustar do que outros.

As respostas para as pessoas nos mesmos empregos foram calculadas em média e extrapoladas para formar uma pontuação de 100. Examinamos essas pontuações em 100 e atribuímos uma classificação a cada trabalho.

Se dois empregos tiverem a mesma pontuação, atribuímos a eles um ranking empatado.

Estudo de Daniel Dunford, Sean Willmott, Marcos Gurgel and Katie Hassell.

CLIQUE AQUI E CONFIRA O RANK DA SUA PROFISSÃO

Lucas R. de Souza Pereira

Jornalista da Agência de Comunicação Grita São Paulo - AGSP, ex-foca da redação, aficionado pelo mundo do futebol, games, séries e rock'n'roll

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *