fbpx

Campanha Nacional de Doação de Órgãos incentiva ato de solidariedade que salva vidas!

Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos é celebrado em 27 de setembro. A data visa conscientizar a população da importância em ser doador e, anualmente, a ABTO (Associação Brasileira de Transplante de Órgãos) organiza uma Campanha sobre o tema. Assim, diversas ações e eventos sociais acontecem em todas as capitais do Brasil.

Em São Paulo, por exemplo, pontos conhecidos da cidade serão alvos de ações para conscientização da população. A Catedral da Sé receberá um Ato Ecumênico amanhã (24), às 9 horas, com as principais lideranças religiosas do país, onde serão homenageados os doadores de órgãos. Além disso, o Memorial da América Latina contará com a “Pedalada com a Sampa Bikers”, às 19 horas, com o objetivo de chamar a atenção e sensibilizar a população paulistana para a necessidade da doação de órgãos e tecidos.

Relógios e letreiros da cidade também serão alvo da Campanha, Entre os dias 26 e 30 de setembro eles estarão na cor verde com a mensagem:  “Doe Órgãos, Doe vida. Avise a sua família”. Também haverá, entre 27 de setembro e 3 de outubro, 100 painéis espalhados por pontos de ônibus na capital.

DADOS EM SP

MITOS SOBRE A DOAÇÃO DE ÓRGÃOS

De acordo com o artigo “Recusa de doação de órgãos e tecidos para transplante relatados por familiares de potenciais doadores”, de Edvaldo Leal de Moraes, estudos realizados nos Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido evidenciaram que o principal obstáculo para a doação de órgãos é representado pela recusa da família. Assim, no documento, foram realizadas entrevistas com oito familiares que vivenciaram a situação com as seguintes questões: 1) Como foi a tomada de decisão para recusar a doação dos órgãos e tecidos para transplante do seu familiar falecido; 2) Quais os motivos considerados para recusar a doação?

RESULTADO

Então, dez motivos principais foram definidos de acordo com as respostas dos entrevistados. São eles:

  1. A crença religiosa;
  2. A espera de um milagre;
  3. A não compreensão do diagnóstico de morte encefálica e a crença na reversão do quadro;
  4. A não aceitação da manipulação do corpo;
  5. O medo da reação da família;
  6. A inadequação da informação e a ausência de confirmação da morte encefálica;
  7. A desconfiança na assistência e o medo do comércio de órgãos;
  8. A inadequação no processo de doação;
  9. O desejo do paciente falecido, manifestado em vida, de não ser um doador de órgãos; 
  10. O medo da perda do ente querido.
ESCLARECIMENTO
As razões para doar ou não são complexas. A solidariedade, embora importante, não parece ser suficiente para motivar a doação de órgãos. Além disso, o suporte emocional a assistência oferecida aos familiares e a informação sobre o processo de doação, parecem ser essenciais para encorajar a atitude da doação. Para as famílias que autorizaram a doação dos órgãos de um parente falecido, o conhecimento do desejo da pessoa, em vida, em relação à doação de órgãos foi importante na tomada de decisão.
O medo da desfiguração e da perda da integridade física do corpo do falecido faz com que a família veja a doação como uma mutilação e não como um ato cirúrgico. Os familiares, que recusam a doação, não aceitam que o corpo do falecido seja submetido à cirurgia.
Além disso, a propaganda negativa sobre a corrupção na doação de órgãos, veiculada pelos meios de comunicação, contribui para que o familiar acredite que o comércio de órgãos seja uma realidade. A mídia tem um papel importante na formação de opinião, pois os familiares afirmam que o comércio de órgãos existe e a informação é obtida por meio dos meios de comunicação. Para muitas famílias, a mídia representa o único acesso à informação sobre doação de órgãos.
CLIQUE AQUI E VEJA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

Portanto, seja você um doador de órgãos. Manifeste o desejo aos seus familiares e, caso você seja um familiar na situação de autorização, não caia nos mitos aqui apontados. Sua ação pode salvar vidas!

Lucas R. de Souza Pereira

Jornalista da Agência de Comunicação Grita São Paulo - AGSP, ex-foca da redação, aficionado pelo mundo do futebol, games, séries e rock'n'roll

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *