fbpx

Perfil Fake | A febre do perfil falso passou?

Atualmente não é necessário entender muito de inglês para saber o que significa Fake ou traduzindo “Falso”, ou seja, um perfil fake é um perfil falso. Existem diversos tipos desses perfis e muitos são ferramentas políticas.

Os perfis que se passam por pessoas famosas em sua maioria são feitos para denegrir a imagem do famoso ou para que o usuário por trás da conta se passe pela pessoa conhecida ganhando assim um número maior de seguidores, no entanto, há casos positivos desse tipo de perfil fake, em que o famoso é representado com humor. No Brasil existem vários por exemplo o @DilmaBolada, no qual fazia menção ao perfil da ex-presidente Dilma Rousseff e trazia um pouco mais de leveza ao ambiente politico conturbado em que a ex presidente vivia em seu mandato.

Existem alguns perfis que se passam por empresas e estes podem causar muitos problemas para uma corporação. Afinal, há alguém, não autorizado, que com o perfil pode atrair usuários que acreditam que aquele é o perfil oficial. Isso é muito perigoso, pois há alguém desconhecido falando em nome da empresa e levam alguns usuários a acreditar em posturas falsas. Mesmo que essa pessoa tenha boas intenções ela não é alguém treinado para falar em nome da corporação em questão.

FATOS

Os perfis que se passam por pessoas comuns são em sua maioria criados por “scripts”, são “robôs”. Eles são geralmente usados para inflar um perfil de seguidores ou fãs. Mas é configurado como crime digital quando acaba conflitando com outros usurários.

Fato é que nas Eleições de 2018 foram utilizados muitos perfis fakes para distribuição de fake news e hoje os perfis fakes são ferramentas muito uteis como ferramenta de manipulação política. A campanha do presidente Bolsonaro tomou uma proporção maior com o movimento #sourobôdobolsonaro. Nela, os eleitores negavam o boato que hoje é comprovado de que o presidente tinha “robôs” como perfis apoiadores de sua candidatura. Mas afinal você leitor já teve ou tem um perfil falso?

Artigo de Diego Gomes,
B
acharel em comunicação social com ênfase em publicidade e propaganda pela Universidade São Judas Tadeu e especialista em mídia, informação e cultura pela Universidade de São Paulo

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *