fbpx

Ciro acredita em uma oposição consistente com o fortalecimento da centro-esquerda

Ciro Gomes, terceiro colocado na eleição para a presidência do País, articula uma oposição legítima ao presidente eleito Jair Messias Bolsonaro (PSL) no Congresso Nacional. A ideia é estabelecer uma aliança entre o PSB, PSDB, PPS e DEM, pois os partidos não pretendem aderir à base aliada do capitão reformado.

Segundo Ciro, Bolsonaro deverá contar com o apoio de 175 deputados federais na próxima legislatura (2019-2023). A oposição, formada pela esquerda, conta com 90 parlamentar, mas a ideia estratégica seria elevar o número para pelo menos 120.

“O objetivo é ampliar a centro-esquerda. Eu imagino que o PSDB não vai querer se associar ao PT e, pelo menos, a parte mais sadia da sigla não vai querer se associar ao Bolsonaro. E por antipetismo vamos ficar longe deles?”, indagou Ciro ao jornal Folha de São Paulo.

Ciro reitera que não exclui a participação de petistas no movimento, mas criticou a formação de uma frente de esquerda articulada pelo partido. Sem aliviar nas palavras, o pedetista enfatizou que seria uma “mentira da burocracia petista” para enganar “abestados”. “Francamente, não excluo o PT. Apenas não podemos permitir que o PT venha exercitar a sua fraude em cima desse momento tão crítico do País”, disse.

A ideia de Ciro é que o movimento de centro-esquerda funcione como uma “guarda da institucionalidade democrática”, protegendo o interesse nacional e os direitos das classes mais pobres. Na próxima semana, Ciro poderá visitar Brasília para intensificar as conversas a fim de sacramentar o movimento.

Daniel Lucas Oliveira

Jornalista da Agência de Comunicação Grita São Paulo - Ama sua família. Vovô de três netos lindos. Acredita em Jesus Cristo. Pratica e indica Jiu-Jitsu. Amante da Justiça e direitos sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *