É difícil assumir, mas o Doria tem razão!

A política é interessante. Até pouco tempo, Doria era BolsoDoria e o presidente Jair Bolsonaro, o mito, era “rei”. Agora, João Doria, governador de São Paulo, entrou em um enfrentamento sem volta e o mito segue ladeira abaixo, desesperado e despreparado, com erros grotescos e falas controversas. Bolsonaro é considerado um dos piores líderes no combate à Covid-19. E, neste confronto de fecha ou abre, proíbe ou libera, o Doria tem razão. E o Doria tendo razão, os bolsonaristas endoidam.

Doria se baseia em estudos científicos, projeções e lições de outros países. Bolsonaro defende veementemente a volta do funcionamento do País, sempre menosprezando os números da pandemia no Brasil, que só crescem. Os apoiadores do mito batem sem dó em Doria nas redes sociais, inclusive com acusações de aproveitamento político por parte do tucano. Mas Doria tem razão e se apoia em números.

De acordo com o Ministério da Saúde, até ontem (14), às 19h55, são 844 mortes em 24 horas, sendo 13.993 óbitos no total, 202.918 casos confirmados e 79.479 recuperados. E o Doria tem razão sobre o isolamento, porque os números o protegem. Na contramão, Bolsonaro distrata jornalistas e tem meia dúzia em Brasília que em toda coletiva de imprensa profere gritos de apoio ao presidente com ataques à mídia. O mito mostra descontrole e até aqui a crise na Saúde tem tripudiado.

Se não bastasse, existe uma crise institucional desde quando Bolsonaro assumiu. E, em plena pandemia, ela se agrava com a saída do Moro da Justiça (o Superman de Brasília), denuncia o presidente de interferência na PF (Polícia Federal) e tira o mito do sério. Ataques a Doria e Moro nas redes sociais ganham forças e, conforme apurado por esta Agência, a maioria é de perfis sem fotos, mas com ilustrações de personagens, tudo apontando para possíveis fakes.

ERROS DESDE O INÍCIO

Sempre mal orientado, Bolsonaro patina. Em seu primeiro discurso ao assumir a presidência da República, não amenizou em seu discurso, pelo contrário utilizou ainda mais de sua retórica eleitoral também no comando do País. Talvez se optasse por um discurso conciliador, naquela época, o Brasil poderia estar em um caminho seguro hoje. Além do mais, a crise nos dá lição e por meio dela podemos nos reerguer ou afundar de vez.

E pelo que vemos, Bolsonaro se afunda de vez. Se o presidente tivesse se apoiado na boa popularidade do então ministro da Saúde, Mandetta, talvez até já teríamos saído desse isolamento social. Mas Mandetta caiu, pois não pode aparecer mais do que o mito, e os números da Covid-19 crescem a cada dia. Por isso e muito mais, Doria tem razão, por ter adotado uma postura de responsabilidade diante de uma crise tão avassaladora.

Mas Doria e Bolsonaro, em seus pensamentos políticos, retrógrados, contra os trabalhadores e os mais vulneráveis: CONTINUAM IGUAIS.

Daniel Lucas Oliveira

Jornalista formado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×